Entrevistas com mulheres empreendedoras (Materahub)

Category: ,

A primeira entrevistada, Stefania Giovannini, de Itália, com cinco anos de experiência na gestão de um bed and breakfast de sucesso em Pitigliano, Toscana, Itália, está a embarcar numa nova aventura, expandindo o seu negócio para a bela ilha da Sardenha. Stefania não está sozinha nos seus esforços; colabora com uma equipa de mulheres talentosas e empreendedoras localizadas em várias regiões de Itália.

 

Atualmente, o site da empresa de Stefania está passando por uma transformação, com uma equipa dedicada de engenheiros de software e designers gráficos a trabalhar. Esta reformulação é uma resposta às mudanças significativas que estão a ocorrer no seu negócio. Em vez de focar apenas em alugueres a curto prazo, Stefania está a direcionar o seu foco para promover o turismo sustentável e lento. O seu objetivo é criar uma experiência única de coabitação que incentive uma ligação mais próxima à natureza. Para dar vida a esta visão, Stefania está a colaborar com organizações locais na região de Maremma Toscana.

 

Com uma vasta experiência como profissional de vendas, as principais habilidades de Stefania incluem negociação, construção de relacionamentos e comunicação persuasiva, mas também escuta ativa, resolução de problemas e a capacidade de se adaptar às diversas necessidades dos clientes. Além dos seus empreendimentos empresariais, Stefania tem uma paixão profunda pela sustentabilidade ambiental e pelo cultivo de um estilo de vida saudável que engloba o bem-estar físico e mental, bem como uma nutrição consciente. Atualmente, está envolvida ativamente em projetos que estão alinhados com essas paixões.

 

A decisão de realizar a entrevista em italiano foi intencional, pois permitiu respostas mais abrangentes e expressivas por parte da entrevistada. Além disso, dado que todos os participantes eram italianos, o fluxo natural da conversa foi espontâneo.

 

  1. O que a inspirou a iniciar o seu próprio negócio?

Fui inspirada pelo desejo de realização pessoal e independência económica. Após muitos acontecimentos na minha vida, herdei a casa da minha família e de repente senti a necessidade de criar algo por minha conta, de construir um negócio a partir do zero. Iniciar um negócio não apenas ofereceu potencial económico, mas também a oportunidade de expressar a minha criatividade e paixão pelo meu território, as minhas origens, as minhas raízes.

 

  1. Há quanto tempo está a gerir o seu negócio?

Estou a gerir o meu negócio há cinco anos. Tem sido uma jornada muito emocionante… cheia de desafios e sucessos!

 

  1. Qual tem sido o seu maior feito como empreendedora até agora?

Um dos meus feitos mais significativos tem sido o feedback consistentemente positivo dos nossos hóspedes. É imensamente gratificante saber que os nossos hóspedes tiveram experiências agradáveis e memoráveis nas nossas acomodações, na minha cidade, onde tenho memórias da minha infância. Outro marco é alcançar e manter o estatuto de Superhost em plataformas como o Airbnb, que destaca o nosso compromisso com um serviço excecional… depois de todo o trabalho árduo!

 

  1. Como mantém o seu negócio competitivo face ao progresso tecnológico, à digitalização e à inovação?

Na era digital de hoje, manter-se competitivo no setor da hospitalidade requer a adoção de tecnologia. Fornecemos conectividade Wi-Fi para os nossos hóspedes, garantindo que permaneçam ligados durante a sua estadia. Também integramos a Alexa para maior conveniência e estamos a preparar-nos para os próximos desafios digitais no domínio da automação residencial.

 

  1. Gostaria de partilhar algumas dicas para expandir o negócio e torná-lo rentável?

Absolutamente, posso dar algumas no campo para mulheres empreendedoras na minha área:

 

  1. Ame o que faz!! A paixão é contagiante e pode ressoar junto dos seus hóspedes.

Seja acolhedora e mantenha sempre uma atitude positiva para com todos os hóspedes. A hospitalidade personalizada pode fazer uma diferença significativa.

  1. Preste atenção meticulosa aos detalhes; são as pequenas coisas que os hóspedes muitas vezes recordam e apreciam.

Mantenha-se conectada e prontamente disponível para ajudar os hóspedes com as suas necessidades. A comunicação responsiva pode melhorar a experiência do hóspede.

[Stefania está a pensar… ] Em todos os campos, é importante amar o que faz.

 

  1. O que torna particularmente difícil abrir ou gerir um negócio no seu país? Como enfrenta isso?

Abrir e gerir um negócio em Itália apresenta alguns desafios únicos. Os processos burocráticos podem ser complexos e, por vezes, complicados. Além disso, as leis e regulamentações podem variar de região para região, até ao nível municipal, o que pode ser desconcertante. Para superar esses desafios, descobri que a criação de uma rede de contactos e a utilização das mais recentes tecnologias de informação podem ser inestimáveis. A rede de contactos proporciona acesso a insights valiosos e apoio de outras pessoas que enfrentaram desafios semelhantes. Além disso, a tecnologia pode simplificar os processos administrativos, tornando a conformidade mais gerível.

 

  1. Quais são as alterações que gostaria de fazer? Quanto tempo vai demorar a concretizá-las? O que a impede de as fazer?

Uma das alterações significativas que temos em vista é uma transição do nosso foco atual em alugueres de curta duração para acomodações de média duração. Essa mudança é motivada pelo desejo de atender melhor a um público diferente, incluindo nómadas digitais e aqueles que procuram estadias prolongadas, abraçando um estilo de viagem novo e imersivo. Estamos a trabalhar ativamente para concretizar essa transformação nos próximos 6 a 9 meses. Para apoiar esta mudança, iniciámos várias colaborações com várias entidades e estamos envolvidos ativamente em projetos relevantes. No entanto, é importante reconhecer que antecipamos obstáculos potenciais neste esforço. Aumentar a concorrência no segmento de acomodações de média duração é um desafio chave que estamos a preparar para enfrentar, e é crucial que a nossa nova abordagem esteja alinhada precisamente com as preferências do nosso público-alvo. Esta mudança estratégica sublinha o nosso compromisso em proporcionar experiências de viagem mais imersivas e significativas.

 

  1. Enfrentou algum desafio ou obstáculo na sua jornada empreendedora que atribua a preconceito de género ou discriminação, e como lidou com esses desafios? Esses desafios influenciaram a sua estratégia de negócios?

Tive a sorte de não encontrar preconceito de género ou discriminação na minha indústria. No entanto, é importante reconhecer que esses problemas persistem em vários setores e regiões. Tais desafios podem ser profundos e influenciaram as estratégias de negócios de muitas mulheres empreendedoras. É essencial enfrentar esses desafios de frente, procurar apoio em redes e advogar pela igualdade.

 

  1. Com base em pesquisas, o medo do fracasso é muito pesado para as mulheres, especialmente no ambiente empresarial. O que o fracasso significa para si? Como lida com isso?

O conceito de “fracasso” não existe no meu vocabulário. Em vez disso, vejo cada evento, mesmo que não corra conforme o planeado, como uma valiosa experiência de aprendizagem. Quando algo não corre como esperado, encaro como uma oportunidade para analisar o que aconteceu, extrair lições significativas da experiência e fazer os ajustes necessários. Essa perspetiva permite-me abraçar desafios como degraus em direção à melhoria.

 

  1. Como diferencia o seu negócio dos concorrentes e cria uma proposta de valor única para os seus clientes?

A nossa proposta de valor única é uma combinação multifacetada de elementos distintivos que nos destacam. Em primeiro lugar, a nossa decoração… escolhemos um estilo vintage dos anos 1950 e 1960, em contraste com o estilo tradicional de outros alojamentos locais. Este estilo reflete a autêntica história de Pitigliano, oferecendo uma visão do passado da vila. Também tornámos o nosso alojamento familiar, com jogos infantis integrados e cores vibrantes num canto dedicado aos nossos jovens hóspedes. A nossa extensa coleção de livros é outra característica única, criando um ambiente tranquilo para leitura, com livros históricos sobre a cidade e fotos históricas correspondentes. Em resposta às necessidades em evolução dos nossos hóspedes, criámos um espaço de trabalho dedicado para aqueles que desejam trabalhar remotamente. Equipado com Wi-Fi, cadeiras confortáveis e mesas, destina-se a profissionais que procuram um ambiente tranquilo e produtivo. Além disso, iniciámos projetos únicos, como a realização de exposições dentro do nosso alojamento, com exibições rotativas a cada dois meses. Esta iniciativa acrescenta uma dimensão artística e cultural à nossa oferta, refletindo o nosso compromisso com a cultura e o envolvimento intelectual. Além destas características, fomentámos parcerias com muitos negócios locais para apoiar a comunidade local e melhorar a experiência global dos nossos hóspedes. A nossa abordagem à hospitalidade vai além do conceito convencional de fornecer um lugar para ficar; trata-se de curar meticulosamente uma experiência enriquecedora. Acreditamos que a chave reside em envolver a comunidade local e prestar muita atenção aos desejos e razões dos nossos hóspedes para visitar, garantindo que o tempo que passam connosco seja verdadeiramente memorável e gratificante.

 

  1. As suas prioridades mudaram desde o início? Se sim, como?

Sim, as minhas prioridades mudaram desde que embarquei nesta jornada empreendedora. Inicialmente, o meu foco principal era estabelecer e sustentar o negócio, garantindo o seu crescimento e rentabilidade. No entanto, à medida que o tempo passou e o negócio evoluiu, as minhas prioridades mudaram. Hoje, passei a apreciar o impacto mais amplo que o meu negócio pode ter. Já não se trata apenas de sucesso financeiro; é sobre contribuir para um estilo de viagem diferente, impactar positivamente a comunidade local e fomentar o envolvimento cultural e intelectual entre os nossos hóspedes. Vejo o nosso espaço como mais do que simples alojamento; é uma porta de entrada para experiências imersivas. Reconheci o valor de estabelecer parcerias com negócios locais, apoiar a comunidade e promover uma abordagem sustentável ao turismo. Esses aspetos tornaram-se integrais às minhas prioridades. Assim, embora o objetivo central permaneça a rentabilidade, as minhas prioridades expandiram-se para abranger uma abordagem mais holística e orientada para a comunidade, enfatizando a cultura, a sustentabilidade e o empoderamento.

  1. Qual é o papel do mentor na ajuda às mulheres a terem sucesso nos negócios?

Acredito que as mulheres atingiram um ponto em que são mais do que capazes de orientar a si mesmas. No entanto, o que acho particularmente interessante é o conceito de “mentoria inversa”. Nesta prática, membros mais jovens tornam-se mentores para aqueles com mais experiência dentro de uma empresa ou organização. Essa troca de conhecimento, habilidades e perspetivas supera as lacunas geracionais e mantém todos atualizados com o rápido avanço da tecnologia, novas tendências nas redes sociais e mudanças no mercado. É uma forma de garantir que o conhecimento e a experiência coletivos continuem a prosperar.

  1. Como gere o seu tempo livre como empreendedora (família, filhos, tarefas domésticas)?

Gerir o tempo livre como empreendedora pode ser uma tarefa desafiadora. Para gerir eficazmente isso, aprendi a delegar algumas das tarefas mais complexas ao meu parceiro de negócios. Essa abordagem colaborativa permite-nos partilhar as responsabilidades e garantir que as nossas vidas pessoais permaneçam em harmonia com os nossos compromissos profissionais. Trata-se de encontrar um equilíbrio que funcione para nós e para a nossa família.

  1. Que conselhos daria a outras mulheres que queiram iniciar o seu próprio negócio?

Para outras mulheres que estejam a considerar embarcar na sua jornada empreendedora, quero enfatizar a importância de compreender que ao longo das diferentes fases da vida de uma mulher, podemos enfrentar desafios decorrentes de constrangimentos sociais, psicológicos ou físicos. Esses obstáculos podem, por vezes, ser avassaladores. No entanto, é vital perceber que esses desafios não são fraquezas; são, na verdade, as nossas maiores forças. Abraça o teu potencial, as tuas paixões e vê cada obstáculo como uma lição valiosa. És totalmente capaz de transformar os teus sonhos em realidade. Com determinação inabalável, dedicação e o apoio de redes e mentores, podes criar um negócio próspero alinhado com as tuas aspirações.

 

Segunda entrevistada: Ramona Bavassano, de Itália, é empreendedora e freelancer. Nos últimos 28 anos, a sua missão consiste em ajudar as pessoas a trabalhar melhor, a desenvolverem-se e a aprimorarem as suas capacidades para criar sinergias e relações proficientes com outros grupos e organizações.

 

Atualmente, o negócio de Ramona consiste em co-criar, conceber e implementar soluções para enfrentar problemas, ativando todos os recursos disponíveis, incluindo os potenciais ou ocultos. A sua metodologia envolve a análise do contexto, a participação de todos os intervenientes possíveis, a criação de visões partilhadas, a imaginação de projetos e soluções, a definição de recursos, a planificação de ações, o suporte e a ativação do compromisso, criando assim uma mistura diferente de intervenções para objetivos alcançáveis.

 

Ramona trabalha como psicóloga com todo o tipo de organizações, desde grandes corporações ou empresas públicas até pequenas empresas familiares e startups, mas dá prioridade a projetos alinhados com os seus princípios éticos, como sustentabilidade e responsabilidade, prestando uma atenção especial às questões de género.

 

Nos últimos vinte anos, ela expandiu o seu campo de atividades para além da Europa e começou a trabalhar e a fazer voluntariado no México, Guatemala, Índia, Argentina, Tailândia, Síria, Laos, Camboja, Japão e principalmente no Brasil e Jamaica. Em 2010, Ramona criou no Brasil um grupo internacional de consultoria (www.responsability.co) para apoiar o desenvolvimento sustentável de territórios inteiros, envolvendo todas as atividades produtivas e intervenientes, especialmente minorias, comunidades indígenas, associações locais e mulheres. Desde 2012, todos os invernos, ela muda-se para a Jamaica, onde, em conjunto com parceiros locais e de acordo com uma abordagem totalmente bottom-up, têm vindo a criar a Jamadda Perma-Cultural Ecovillage, para apoiar o florescimento da comunidade de Treasure Beach, na costa sul.

 

Desde setembro de 2015, ela colabora com a Ernst & Young Financial Business Advisors SPA, ministrando formação em marketing e comunicação para os front-liners da principal empresa ferroviária italiana, a Trenitalia Spa, com o objetivo de revitalizar e dar nova relevância estratégica ao sistema nacional de transporte local. Ramona também foi muito ativa na Basilicata, onde, em 2019, criou uma rede de associações culturais que apoiaram a candidatura de Matera a Capital Europeia da Cultura. Finalmente, ela gere um negócio de agroturismo perto de Cagliari, na Sardenha, chamado “In our garden” https://www.inourgarden.org/

 

  1. O que a inspirou a começar o seu negócio?

Após muitos anos a trabalhar como consultora em gestão de recursos humanos, formadora e especialista em desenvolvimento local em Itália, na Europa e em muitos países no resto do maravilhoso planeta, decidi que criaria uma atividade empresarial ética para regenerar o solo, as pessoas e as comunidades. Comecei a procurar um lugar onde pudesse reunir tudo o que aprendi a fazer voluntariado e a trabalhar com muitas organizações ao redor do mundo. Depois de muita planificação e pesquisa, encontrei um local com muito potencial no sul da Sardenha. O objetivo é criar bem-estar para os humanos, produzindo alimentos orgânicos e oferecendo atividades holísticas, apoiando outras pessoas que desejam mudar as suas vidas de uma forma mais ecológica.

 

  1. Há quanto tempo está a gerir o seu negócio?

Depois de 4 anos de pesquisa e negociação de um plano financeiro diluído com os proprietários, assinei corajosamente a compra dos 55 hectares que agora são www.inourgarden.org. Eu e o meu parceiro, que encontrei enquanto procurava terra na Sardenha, entrámos na propriedade a 15 de agosto de 2020. Um ano terrível para o mundo e de todo não o momento perfeito para abrir uma quinta que supostamente faria vendas diretas de produtos e eventos culturais. Mas oferecemos os nossos espaços imediatamente a pessoas que precisavam de ar fresco e de reconexão com a natureza. Isso ajudou-nos a criar a audiência inicial para a nossa visão e produtos.

 

  1. Qual tem sido a sua maior conquista até agora como empreendedora?

Dadas as condições, sobreviver até agora tem sido a minha maior conquista. No meu negócio, aplico a ética da Permacultura, uma metodologia que visa projetar ecossistemas prósperos através do cuidado com as pessoas, o cuidado com a terra e a partilha justa. Desde agosto de 2020, tenho lutado para encontrar o dinheiro que precisava para pagar a propriedade, transformá-la num negócio de agroturismo, ter a oportunidade de receber hóspedes em 2 apartamentos e 3 tendas de glamping, estudar, obter a licença adequada e criar um público que pudesse participar nos nossos eventos e comprar as nossas azeitonas, vinho, laranjas e amêndoas para ter um fluxo de caixa para a sobrevivência. Portanto, estamos vivos e de boa saúde, mas sobreviver não é o nosso objetivo, queremos prosperar e estamos no caminho para nos tornarmos proprietários, além de procurar novos parceiros para desenvolver o potencial do local. Assim, criar as condições para a futura abundância é o meu maior objetivo.

 

  1. Como mantém o seu negócio competitivo face ao progresso tecnológico, à digitalização e à inovação?

O meu negócio é competitivo porque procuramos ser pioneiros em vez de seguidores de tendências. Por exemplo, muitos agricultores estão a tentar manter-se atualizados com a tecnologia e o chamado Agro-negócio, mas estamos a ver que muitos investimentos são feitos porque se quer estar “sempre atualizado”. Assim, por vezes, certas tecnologias são prejudiciais se não contribuírem para mudar o sistema, mas se focarem apenas em certos aspetos. Portanto, usar sensores para gastar menos água numa monocultura é absurdo. Pensamos que a agroecologia é uma tecnologia apropriada, porque visa criar ecossistemas que não precisam das entradas contínuas dos agricultores e, no final, é mais económica. Fazemos inovação social pela mesma razão: é melhor colaborar do que competir, só precisamos de ter a capacidade de olhar para as coisas com uma mente e coração abertos.

 

  1. Gostaria de partilhar algumas dicas para fazer crescer o negócio e torná-lo possível?

O meu maior conselho é compreender as necessidades do grupo-alvo que deseja satisfazer enquanto satisfaz as suas próprias necessidades. Depois, tente criar conexões e relações com o território à sua volta para obter informações e ajuda, enquanto procura pessoas que tenham a mesma visão e possam ajudar como voluntárias ou profissionais com compensações provenientes de algo diferente do dinheiro. Outra dica importante é poupar tempo para o seu desenvolvimento pessoal e bem-estar, porque lidar com encontrar dinheiro, entender as leis, interagir com a burocracia pode tornar-se avassalador. Às vezes, perco energia ao trabalhar demasiado, mas mesmo sendo uma quinta multifuncional, temos de lembrar que o principal recurso que temos é a nossa motivação e não podemos dar-nos ao luxo de a perder devido ao cansaço. Como sempre me lembro: construir relações é cansativo, mas é um prazer, e o primeiro testemunho dos meus valores sou eu, por isso, não posso parecer stressada ou exausta enquanto o faço. Isto por si só já é um trabalho!

 

  1. O que torna particularmente difícil abrir um negócio no seu país?

Em Itália, com certeza, o maior problema é enfrentar a burocracia e as instituições financeiras que são completamente inadequadas para apoiar o lançamento de novas atividades. Portanto, inventaram instituições que se supõe ajudarem novos negócios com um bom planeamento de negócios, mas na maioria das vezes a sensação é que há mais publicidade e custos gerais do que eficácia real e uma verdadeira possibilidade de encontrar apoio de fundos europeus ou nacionais. Portanto, neste caso, é importante ser criativo e pensar nos planos B, C e assim por diante. Mais importante ainda, é necessário resistir à tentação de desistir.

 

  1. Quais são as mudanças que gostaria de fazer?

Na minha região, existe muito potencial para crescer em negócios que trabalham na regeneração e no desenvolvimento sustentável, mas as leis estão cheias de falhas. Assim, como o sucesso é um resultado coletivo e não individual, apesar do que a propaganda do Homem Auto-feito nos tem ensinado durante décadas, muita energia tem de ser investida em criar relações prósperas no nosso ecossistema. Isso requer muitas vezes mudar a mentalidade. Por isso, sugeriria a todas as mulheres que desejam resolver problemas na sociedade, fazê-lo com um negócio ético, usando a sua intuição feminina e empatia para entender o que pode ser feito para ajudar a mudar a mentalidade. Por exemplo, no meu caso, estamos a tornar-nos uma quinta multifuncional e estou continuamente a organizar eventos que trazem a comunidade local até nós para participar em eventos e movimentos que estão a surgir na minha área. Lembrem-se sempre que uma comunidade não é a soma das pessoas que vivem numa determinada área, é o resultado das sinergias e interdependências que são criadas para construir ligações que levam ao empoderamento geral. Como sabemos que para mudar uma mentalidade precisamos de mais tempo e energia do que para mudar uma regra ou um hábito, estejam preparadas para serem pacientes. E lembrem-se da antiga sabedoria dos nativos americanos: “se queres ir rápido, vai sozinho; se queres ir longe, vai com os outros”. E também se lembrem de que somos as pessoas que estiveram à espera de mudar o mundo e mais ninguém está a chegar, por isso, precisamos de agir.

 

  1. Enfrentaste desafios devido a preconceitos de género?

Tenho enfrentado desafios e problemas por ser uma mulher independente desde que era uma criança desejando viver e autodeterminar-se. Agora, chamo-me a mim mesma uma inovadora social nata; antes chamavam-me muitas coisas. Acostumei-me a ser a “diferente” e aprendi a viver com isso, porque, se não, não poderia viver.

Não mantive a mentalidade de que tinha de ser superforte e mudar o mundo sozinha, enfrentando ondas gigantes que se voltavam contra mim. Entendi muito cedo que tinha de aprender a seguir o fluxo, encontrando maneiras de me movimentar de acordo com as situações. Mais tarde, entendi isso melhor, enquanto vivia no Brasil. “Achar um jeitinho” significa que se estás certo de que estás a trabalhar para o bem comum, o teu instinto sugerirá o que fazer para atingir o teu objetivo, aprendendo como mover-te de modo a surfar as grandes ondas em vez de tentar resistir-lhes.

 

  1. Com base em pesquisas, o fracasso é particularmente pesado para as mulheres; como lidas com isso?

Repito sempre para mim mesma que não existe fracasso, apenas experiências que te tornarão melhor, e que é sempre melhor viver com remorsos por ter feito algo que não resultou, em vez de viver com arrependimentos por nem sequer ter tentado. Quando estás no estado de fluxo produtivo devido a algum propósito que realmente sentes ser importante, o teu subconsciente alinha-se com a tua consciência, e tudo o que acontece está lá para ajudar o teu crescimento pessoal e dar-te pistas para ultrapassar a resistência natural à mudança que está por toda a parte.

 

  1. Como diferencias o teu negócio dos concorrentes e crias uma proposta de valor para os teus clientes?

Com coração e humanidade em tudo o que fazemos. Criar valores partilhados não é algo que possas evitar no campo dos negócios, por isso aprofundemos na criação de valor coletivo tendo a mentalidade de um empreendedor social que trabalha para o bem comum, e a nossa missão tornar-se-á mais clara para o cliente, que esperançosamente se tornará apoiante e parceiro em vez de apenas cliente.

 

  1. As tuas prioridades mudaram desde o início? Se sim, como?

Iniciar um negócio não apenas muda as tuas prioridades, muda toda a tua existência. Por isso, é sempre bom ter flexibilidade mental em todos os momentos. Isso é melhor do que qualquer prática de ioga que possas adotar para ganhar flexibilidade, mas claro que a ioga e a meditação podem ajudar muito.

 

  1. Qual é o papel da mentoria na ajuda ao sucesso das mulheres?

A mentoria significa inspiração e orientação, ativos sem os quais é quase impossível ter sucesso. Como empreendedora feminina atuando no campo da inovação, ter a oportunidade de saber que alguém mais enfrentou as mesmas lutas que tu pode ajudar a sentir que nunca estamos sozinhas. A irmandade é o segredo para superar o patriarcado e, portanto, criar ecossistemas que podem ajudar-te e à tua comunidade a prosperar.

 

  1. Como gerencias o teu tempo livre?

Que tempo livre? Sem brincadeiras, o tempo livre deveria ser imposto por lei como tempo de lazer, sem o qual as tuas energias não podem regenerar-se. Como o tempo fora do trabalho ainda não é tempo livre devido a questões sociais, como o fraco apoio do sistema de bem-estar, uso algum do meu tempo livre para apoiar mudanças estruturais, participando em movimentos e grupos, e depois reservo tempo apenas para os meus processos regenerativos. Isso inclui viajar sozinha, participar em eventos que me possam inspirar e desconectar totalmente da minha rotina diária. É um investimento que sempre traz bons frutos, porque a energia motivacional é fundamental, e podemos realmente criá-la abundantemente apenas se soubermos como desfrutar da nossa vida da melhor forma. Este é um ponto crítico porque demasiada propaganda sobre auto-sacrifício e determinação no final cega-te em vez de iluminar a tua força interior, que é o local onde vive o segredo escondido da energia infinita.

 

  1. Que conselho darias a outras mulheres que queiram começar o seu próprio negócio?

Desfrute sempre do que está a fazer, sabendo que pode fazer a diferença para criar um mundo melhor. Se mudar, o mundo inteiro muda, e há sempre espaço para melhorar, por isso, fique feliz com cada passo que dá, porque não há grandes conquistas sem um pequeno passo inicial em direção a elas.

TAGS: