Entrevistas com mulheres empresárias

Category: ,

Como parte do WP2, o consórcio efetuou uma série de entrevistas com mulheres empresárias. O seu resumo está disponível neste documento.

 

1.      Atermon

Entrevistada: Yuki Tessler, Países Baixos

A empreendedora que tivemos o prazer de conhecer e entrevistar para o projeto WomenIn é Yuki Tessler. Yuki é de origem japonesa e viveu e trabalhou no Japão, Austrália e nos Países Baixos. Yuki possui uma formação acadêmica e profissional muito rica e diversificada, incluindo uma licenciatura em Filosofia, diplomas em Interpretação, Turismo e Tecnologia de Laboratório. Atualmente, reside nos Países Baixos e gere o seu próprio negócio desde 2019. Quando a Yuki se mudou para os Países Baixos com seu marido e seu filho, decidiu tornar-se autônoma. Ela oferece workshops promovendo a arte e filosofia japonesa do “Kintsugi” e “Makie”. Tem clientes nos Países Baixos e no exterior, e, na entrevista a seguir, ela aprofunda como decidiu abrir seu próprio negócio, a filosofia por trás de sua arte, como lida com as responsabilidades de seu negócio e sua família (conciliação trabalho-família), bem como seus planos para o negócio.

  • O que a inspirou a iniciar seu próprio negócio?

Eu costumava morar na Austrália, tinha visto e emprego. E então decidimos mudar-nos para os Países Baixos, onde tive de ser autônoma por causa do visto. Então, essa foi realmente a primeira razão pela qual tive de começar e quis ter meu próprio negócio. Porque antes disso, nunca tinha pensado nisso. Ter seu próprio negócio é desafiador, certo? Então, você tem de trabalhar 24 horas por dia, 7 dias por semana e sem férias – sempre a pensar no negócio. Foi realmente difícil para mim, e nunca pensei nisso quando estava na Austrália. Então, pensei que seria muito mais fácil trabalhar para outra pessoa, mas agora que nos mudamos para os Países Baixos, tive de começar algo. Então, foquei-me no meu histórico – o que há de especial em mim? E então me concentrei na cultura japonesa e descobri o “Kintsugi”, que tem uma filosofia muito boa. Então, esse foi o começo.

 

  • Há quanto tempo você está à frente do seu negócio?

Há 3 anos.

 

  • Qual foi sua maior conquista como empreendedora até agora?

Tive um grande grupo de pessoas no workshop chamado “Makie”, onde usamos laca japonesa e desenhamos na laca, e acomodei cerca de 32 pessoas, o que foi bastante desafiador, porque, em um workshop, quando tenho um grupo grande, preciso pensar em como organizá-lo. E acho que todos aproveitaram o meu workshop. Acredito que essa pode ser minha maior conquista até agora.

 

  • Como mantém seu negócio competitivo diante do progresso tecnológico, da digitalização e da inovação?

Há muitos japoneses aqui nos Países Baixos. Não sei se conhece o visto e o relacionamento entre o Japão e os Países Baixos, mas temos uma relação especial, então muitos japoneses podem vir para os Países Baixos e iniciar um negócio. E quando começamos um negócio, na maioria das vezes, como eu, nos concentramos no que é especializado para nós. E somos japoneses – é claro, focamos na cultura, então isso significa que, na verdade, não sou a única a fazer workshops de Kintsugi – acho que o Makie sou apenas eu, mas não é tão especial. Então, se eu quiser ser competitiva, é apenas uma questão de continuar. Quando você oferece algo e se faz isso uma ou duas vezes, e aparecem poucas pessoas e, ok, desiste. Se fizer isso, não poderá continuar. Então, eu continuo. Nunca paro – sempre a promover e sempre a mostrar que estou a sempre a fazer workshops. Porque meu foco principal são os workshops, não é fazer produção ou qualquer outra coisa – eu tentei de tudo. E então eu pensei que o workshop estava a funcionar. E é por isso que continuo a promover, continuo a fazer e, se quiser vir, pode vir a qualquer momento. Então, acho que essa estratégia funciona e posso ser competitiva em relação aos outros.

Quanto à tecnologia, quando me mudei para os Países Baixos, foi em 2019 e no ano seguinte tivemos o Covid. Eu adoro o Instagram e descobri que, se usarmos as redes sociais, podemos promover-nos. Então, acho que a tecnologia nos ajudou a promovermo-nos, mesmo tendo um negócio muito pequeno. Porque se não tivermos contato, como as redes sociais que nos podem ajudar a promover e mostrar que o fazemos no nosso negócio? Então, as redes sociais ajudam muito quando você tem seu próprio negócio.

Eu costumava ter um workshop online quando não podíamos ter workshops presenciais. Ainda tenho alguns workshops online, porque tenho clientes no Japão e na Austrália. Mas isso é tudo no momento.

 

 

 

 

  • Gostaria de partilhar algumas dicas para expandir o negócio e torná-lo rentável?

Não tenho realmente um grande negócio. Apenas estou a gerir o meu negócio, por isso não sei se estou numa posição para dar conselhos ou algo assim. Estou mais focada nos meus workshops e estou a promover-me nas redes sociais, mas descobri que, quando posso colaborar com alguém que tem espaço e já possui um mercado estabelecido, se eu puder colaborar com eles, posso expandir o meu mercado. Isso está a acontecer este ano, porque tenho feito isto há três anos e no ano passado, gradualmente, pude abrir um workshop porque a Covid terminou. Depois disso, as pessoas começaram a encontrar-me e este ano comecei a colaborar com diferentes locais. Comecei por colaborar com um café e restaurante japonês em Roterdão e depois descobri que deveria focar na pessoa, ou lugar, ou workshop, ou restaurante que já estão estabelecidos. Então, assim que tenho uma ligação com eles, posso expandir o meu mercado e muitas pessoas podem encontrar-me. Agora tenho um espaço em Roterdão e estou a ir para Amesterdão e Groningen, e tento ter um workshop noutro local também. Então, primeiro estabeleço uma ligação e cada pessoa já tem um negócio. Essa é a minha estratégia. A minha estratégia não é apenas colaborar com amigos ou apenas fazer uma ligação. Não funciona. Tem de encontrar alguém que já esteja estabelecido. Então, pode ser uma relação de apoio que funcione.

 

  • O que torna particularmente difícil abrir ou gerir um negócio no seu país (pode ser qualquer coisa relacionada com o contexto nacional)? Como enfrenta isso?

A língua, penso que é o mais difícil para mim. No início, a maioria dos meus clientes eram internacionais, vinham de diferentes países, e não se importavam que eu falasse inglês, mas agora, porque tenho mais clientes e, claro, há muitos holandeses, porque estamos nos Países Baixos. Há momentos em que as pessoas me perguntam se posso fazer o workshop em holandês, nos Países Baixos, mas não posso. Estou a estudar, mas não é suficiente para fazer um workshop. Portanto, a língua é o mais difícil para mim.

* Em termos de negócios e de como gerir um negócio nos Países Baixos, enfrentou algum desafio nesse sentido? Achei mais difícil ou mais fácil gerir um negócio nos Países Baixos?

Não muito.

* Porque já viveu noutros países também, como na Austrália, achou mais difícil ou mais fácil gerir um negócio nos Países Baixos?

Para ser honesta consigo, porque o meu negócio é um pouco único, e as pessoas estão principalmente interessadas na cultura japonesa, isso ajuda-me a movimentar-me bastante. Se comparar com a Austrália, a Austrália é enorme e estão mais focados em desporto, natureza e outras coisas – mais do que na cultura. Essa é a minha impressão – dada a experiência de 17 anos – provavelmente a minha opinião está correta. Mas aqui, este país é muito pequeno e conectado entre si. Às vezes, tenho um cliente da Áustria, Alemanha ou França.

* Quando decidiu estabelecer o seu negócio nos Países Baixos, como foi no início, enfrentou algum desafio? Houve algo em particular que a impediu. Qualquer processo legal ou algo relacionado com a criação e gestão efetiva do negócio?

No início, não sabia por onde começar. Não havia nenhum exemplo ou modelo para mim, por isso era difícil começar um negócio, com certeza. Por ter a cultura japonesa, agora consigo conectar-me com outro proprietário de negócios japonês que já está estabelecido. Agora posso conectar-me com eles. Agora sei, mas no início, não fazia ideia de como começar..

** Quão fácil foi encontrar informações sobre como criar um negócio nos Países Baixos? Enfrentou algum desafio?

Foi difícil encontrar informações sobre o que fazer, porque não havia um modelo que pudéssemos seguir. Então, tive que descobrir o que fazer primeiro. Concentrei-me em proprietários de negócios japoneses que já estão estabelecidos, porque funciona para mim, mas também abordei museus em Leiden e organizações sem fins lucrativos em Utrecht. Esses tipos de conexão não funcionam para mim. Isso é desafiador para mim. Porque para eles, queriam alguém com experiência ou reputação. Depois de alguns amigos me incentivarem, entrei em contato com museus que poderiam estar interessados no que estava a fazer, porque eles se focavam na cultura japonesa e abordei-os, mas não obtive muitas respostas deles. Então, esse foi o meu desafio. Porque alguém pode pensar que, como estou a representar a cultura japonesa, posso ir a um lugar que já apresenta a cultura japonesa, mas eles não estão realmente interessados no que estou a fazer. É por isso que tive que encontrar o meu próprio caminho, sozinha.

 

  • Quais são as mudanças que gostaria de fazer? Quanto tempo vai demorar para fazê-las? O que a impede de fazê-las?

Tentei de tudo. Se tenho ideias; talvez eu deva abordar isto e aquilo – ou o cliente pode gostar disto ou daquilo. Sempre que alguma ideia surge, eu tento. Tentei de tudo. Mudei a minha abordagem, ou mudei o meu produto, ou mudei de curso, tudo! E se funcionar, consigo obter uma resposta deles. Se não obtiver nenhuma resposta, mudo de curso e de direção. Tenho flexibilidade, então estou sempre a mudar, mas sempre mantenho algo que é bem recebido. Essa é a minha estratégia, tentei de tudo.

** Existem mudanças que gostaria de fazer e algo que as impeça de acontecer??

Na verdade, quero ter os meus workshops fora dos Países Baixos – em França, tenho uma ligação e estamos a falar sobre workshops em França. O que é bom, mas quero fazer mais conexões fora dos Países Baixos, também. Como na Alemanha ou Inglaterra, mas no momento não tenho ligações ou conexões. Então, estou a pensar como posso encontrar ligações. Além disso, quero trazer alguns materiais, que são particularmente encontrados no Japão. Portanto, preciso de capital, uma certa quantia de dinheiro para importar. Portanto, não tenho o orçamento no momento.

 

  • Enfrentou algum desafio ou obstáculo na sua jornada empreendedora que atribua a preconceito de género ou discriminação, e como lidou com esses desafios? Esses desafios influenciaram a sua estratégia de negócios?

Bem, tenho uma família, meu marido e meu filho, então, basicamente, tenho o meu próprio negócio, mas também tenho de cuidar da minha família. O meu filho ainda é pequeno, o que significa que temos de fazer muitas coisas para ele e não podemos focar apenas no nosso negócio. Isso é o nosso principal – sabe… Se é um homem, apenas se foca no negócio, certo? 24 horas, 7 dias, e gasta todo o tempo nisso. Mas nós temos de fazer muitas coisas, como cuidar dos filhos, fazer o almoço, limpar, tudo. Portanto, temos de usar o nosso tempo de forma eficaz. Às vezes, isso é um obstáculo, porque não posso dedicar todo o tempo ao meu negócio. Talvez pudesse fazer mais, mas não posso – tenho de dividir o meu tempo. Por isso, é difícil. Não consigo dar todo o meu tempo ao meu negócio, embora queira. Como mulher, é difícil. A maioria das minhas amigas, são mães, mas também querem ter o seu próprio negócio. Têm um produto diferente, cursos, coisas diferentes, mas temos de encontrar o tempo, o que é desafiador. Além disso, por causa disso, não nos esforçamos muito. Eu esforço-me bastante. Tento colocar-me como se estivesse à beira de um penhasco, como se não houvesse volta atrás, por isso tenho de fazer, tenho que continuar. Mas a maioria das mães sente que é muito tempo – esforço demais – e a família está em primeiro lugar. Claro, a família está em primeiro lugar, mas se pensar assim, não te esforças muito no negócio. Isso apenas o impede.

**Esses desafios influenciaram a sua estratégia de negócios?

Eu tenho de continuar, essa é a minha estratégia. Porque se parar, o negócio para. E se não fizer nada, alguns meses depois, todos esquecem. É por isso que continuar é bastante difícil, mas muito importante. Então, temos de encontrar tempo. Não temos a mesma base que os homens, temos de ter um equilíbrio. São coisas nas quais temos de pensar. Como podemos criar um equilíbrio? Isso é o mais importante. E como podemos continuar, também é o mais importante.

 

  • Com base nas pesquisas, o medo do fracasso é muito pesado sobre os ombros das mulheres, especialmente no ambiente empresarial. O que significa o fracasso para si? Como lida com isso?

Se não se falha, não se aprende – é isso. Se todos disserem que o seu negócio é maravilhoso, o seu projeto é maravilhoso, ou algo assim, e se estiver satisfeita, feliz com isso, não avanças. Ficas no mesmo lugar. Então, não vai sair do mesmo sitío. Se quiseres melhorar e expandir o seu negócio, tens que ter um fracasso. O fracasso é importante! Tens de aprender com isso.

 

**Portanto, tem uma abordagem positiva, certo?

Absolutamente positiva! Porque se falhar, significa que é uma ótima oportunidade para descobrir como melhorar. Então, quando tenho um fracasso – ninguém aparece, ou ninguém quer pagar ou algo assim – algo está errado. O que está errado? Como posso mudar a minha abordagem? Como posso mudar o meu produto? Por isso, é por isso que o fracasso é mais importante.

 

  • Como diferencia o seu negócio dos concorrentes e cria uma proposta de valor única para os seus clientes?

Porque não vendo um produto tangível, o meu objetivo é intangível. Isso é diferente. Porque faço workshops, isso significa que forneço habilidades e experiência e eles podem aprender algo que podem criar. Mas, na verdade, o meu objetivo não é criar, o meu objetivo é filosofia. O Kintsugi tem uma filosofia, e é isso que realmente gosto. É como celebrar a imperfeição. Está tudo bem se for imperfeito, porque nascemos imperfeitos. É por isso que não perseguimos a perfeição. Aceitamos a imperfeição. Então, é por isso que aceitamos tudo, positivo ou negativo. Isso significa que está completo. Assim, pode desafiar-se a si mesmo – é uma espécie de filosofia sobre o amor. É isso que estou a vender.

** Então, o que a torna diferente dos seus concorrentes? O que faz de forma diferente dos outros concorrentes que oferecem workshops semelhantes?

Eles vendem e promovem técnicas, ou um produto, ou algo tangível. Mas a minha abordagem é diferente. Estou a fornecer o mesmo tipo de coisas, mas tento promover a própria filosofia. Se comparar com o meu mercado, não acredito que as pessoas façam isso. Porque eu queria vender e promover a filosofia, ou a ideia em si. E então, quero dar-lhes tempo para se confrontarem consigo mesmos. Esse tipo de coisas. Na verdade, não importa se é Kintsugi, Makie ou qualquer outra coisa que eu esteja a fazer. Se eu puder promover essa ideia, mentalidade e filosofia – está bem! Portanto, essa é a minha abordagem. E se comparar com outras pessoas, sou bastante diferente delas.

 

  • As suas prioridades mudaram desde o início? Se sim, como?

Não mudou, mas penso que ao longo dos anos, me estabeleci melhor do que antes. No início, pensei que apenas mostrava a minha cultura, mas quanto mais estudei, mais continuei. Penso que o que posso oferecer é esta ideia, este corpo intangível. Por isso, as minhas prioridades são bastante diferentes – a minha abordagem é diferente. Está a mudar.

** E em termos de gerir o seu negócio? As suas prioridades mudaram desde o início do negócio?

No início, queria introduzir a cultura japonesa, mas agora a minha prioridade é diferente. Não é apenas promover a cultura japonesa, a prioridade agora é diferente, mais como a filosofia – mais como a ideia. Essa é a prioridade agora. No início, queria promover a habilidade, mas agora é mais sobre a ideia.

 

  • Qual papel acha que o mentor desempenha em ajudar as mulheres a terem sucesso nos negócios?

É bastante importante ter alguém que possa ensinar. Eu não tenho realmente uma pessoa em particular. Posso aprender com livros ou na internet. Especialmente, mulheres bem-sucedidas também nos dão muitos conselhos. A maioria das escritoras femininas – os seus comentários são bastante interessantes, porque os seus comentários não se focam no lucro. As mulheres são bastante diferentes dos homens, porque os homens tendem a perseguir o ego deles. Quão grande é o seu negócio, quanto dinheiro têm. Eles estão focados nessas coisas. Mas as mulheres estão focadas em como cuidar da comunidade, da família, em como podemos providenciar para as crianças. Porque nós – mulheres – a maioria de nós, somos mães sempre a pensar no futuro, em como podemos providenciar para a próxima geração. Pensamos nestas coisas. E este tipo de comentários de escritoras femininas absorvo bastante, e também vejo tik-toks, todo o tipo de coisas. Acho que é melhor pensar no futuro, não apenas no que está à nossa frente, não apenas dinheiro, não apenas quão grande é a nossa empresa. Nós, mulheres, tendemos a pensar mais no futuro, no que podemos dar aos nossos filhos. E se voltarmos à pergunta anterior, sei que o fracasso é assustador. Tens medo do fracasso. Mas se pensares no futuro, no que podemos dar às crianças, no que podemos providenciar para o futuro, então não sentimos realmente medo do fracasso. Porque não é apenas sobre ti, é sobre o futuro, sobre as crianças. Tendemos a pensar assim. Se apenas pensarmos assim, vamos ter medo de cometer erros. É assim que penso.

 

Como gere o seu tempo livre enquanto empreendedora (família-filhos, tarefas domésticas)

O meu tempo livre – tem prioridades – o meu filho, tenho de brincar com ele – isso é uma prioridade. Depois disso, talvez faça limpeza ou algo assim. Mas a criança é a coisa mais importante. Ele ainda é pequeno, tem 9 anos, mas ainda precisa da mãe, sabes?

 

  • Que conselhos daria a outras mulheres que queiram iniciar o seu próprio negócio?

Bem… quando as pessoas morrem, arrependem-se de algo, certo? Sentes como se devesse ter feito isto – deveria ter feito aquilo. A maioria das pessoas arrepende-se de querer fazer algo, mas não o fez. Isso é o que importa. Não é o fracasso em que pensam. Portanto, sempre que tiveres uma ideia ou sonho ou algo assim, deves tentar. Não importa. Se não o fizeres, provavelmente, quando morreres, vais arrepender-te. Quando morres, pensas no que te arrependes – nas coisas que não fizeste. Querias fazê-lo, mas não o fizeste. Então, não queres estar nessa posição, certo? – por isso, deves tentar!

TAGS: